/ Estudos / Jud e o Poder
Imprimir

Tamanho da letra

Jud e o Poder
por: Chamada da Meia Noite




O profeta Daniel viveu em tempos tumultuados. Numa vida que se prolongou possivelmente at aos 90 anos, Daniel experimentou a queda do Reino de Jud pelas mos de Babilnia, e depois a destruio de Babilnia pelos medo-persas. Durante essas reviravoltas polticas, quando as superpotncias da poca entravam em confronto direto umas contra as outras, competindo pelo controle do antigo Oriente Mdio, Deus revelou a Daniel que tudo estava sob Seu controle e de acordo com o plano que Ele tinha para Seu povo, Israel, e para a vinda do reino de Deus terra.

 

Durante os sculos VI e VII a.C., o Reino de Jud foi apanhado em um conflito entre trs grandes imprios: a Assria, a Babilnia e a Medo-Prsia. O Imprio Assrio, com base em Nnive, havia governado o antigo Oriente Mdio desde o tempo de Tiglate-Pileser III, na metade do sculo VIII a.C. Foi essa nao que havia conquistado Samaria e levado cativo a Israel, o Reino do Norte, em 722 a.C. Ao final do sculo seguinte, a Babilnia foi vagarosamente invadindo a Assria, saqueando Nnive em 612 a.C.

 

Em 609 a.C., uma coalizo entre os exrcitos da Assria e os do Egito tentaram reprimir os babilnios em Carquemis. Mas, perto de 605 a.C., sob o poder de Nabucodonosor, a Babilnia foi vitoriosa; e, assim, Jud tornou-se subserviente ao Imprio Babilnio.

 

Naquele ano, Nabucodonosor levou pessoas cativas do Reino de Jud, dentre elas Daniel. Ele voltou a fazer a mesma coisa em 597 a.C., aps a rebelio do rei Joaquim. Este morreu na Babilnia; seu sucessor, Jeoaquim, foi ento levado prisioneiro (juntamente com o profeta Ezequiel); e Zedequias se tornou rei. Finalmente, em 586 a.C., aps Zedequias ter se rebelado, o rei Nabucodonosor queimou Jerusalm, destruiu o Templo e exilou o restante da nao de Jud. Como a Babilnia j controlava Israel (o Reino do Norte), que havia sido capturado pela Assria, Babilnia tinha agora total domnio sobre todo o povo judeu.

 

O Imprio Babilnio, embora glorioso, teve vida curta. Treze anos depois da morte de Nabucodonosor, uma coalizo entre os medos e os persas, sob a autoridade do rei Ciro da Prsia, conquistou a Babilnia, desviando o rio Eufrates e atacando a cidade atravs do leito do rio, no dia 29 de outubro de 539 a.C. Ciro, ento, decretou que todas as naes cativas sob o poder de Babilnia poderiam retornar s suas ptrias. Desta forma, foi dado incio ao Imprio Persa, sem precedentes, que governou desde a ndia at o Mar Mediterrneo por mais de 200 anos.

 

Assim, Daniel viveu durante um tempo de tremendo tumulto poltico, com a nao judaica sendo subserviente a essas potncias maiores. O Livro de Daniel, entretanto, nos ensina que o mundo nunca est fora do controle de Deus e que todas as naes esto sujeitas a Ele.

 

O Livro

 

O Livro de Daniel nos ensina que o mundo nunca est fora do controle de Deus e que todas as naes esto sujeitas a Ele.

 

Embora a Bblia crist coloque Daniel entre os Profetas Maiores, a Bblia hebraica o coloca juntamente com os Escritos. Isso pode ser porque Daniel trabalhou principalmente como um funcionrio do governo, primeiro da Babilnia e depois da Prsia; portanto, o livro foi colocado entre Ester e Esdras/Neemias, juntamente com outros escritos dos tempos ps-exlicos.

 

As revelaes de Daniel abrangem quase sete dcadas e especificam os anos de realeza, quando ele recebia vises. O livro foi escrito tanto em hebraico (Dn 1.1-2.4a; Dn 8.1-12.13) quanto em aramaico (Dn 2.4b-7.28). Aramaico era a lngua internacional daquela poca e o fato do livro ter sido escrito nas duas lnguas nos diz que Daniel escreveu tanto para judeus quanto para gentios.

 

Daniel 1 funciona como uma introduo. Esse captulo coloca Daniel como um judeu exilado na Babilnia e mostra tanto seu carter quanto a bno de Deus sobre ele e sobre seus amigos por causa da fidelidade deles. Os captulos 2 a 7 esto escritos em aramaico, significando que a mensagem primeiramente para as naes gentias.

 

Os captulos 2 e 7 revelam quatro reinos gentios de duas formas. No captulo 2 (o sonho de Nabucodonosor), cada um dos quatro reinos representado como um tipo de metal na imagem de um homem que finalmente destruda pela vinda do Reino de Deus. No captulo 7, os mesmos quatro reinos so apresentados como quatro tipos de bestas. As Escrituras identificam os primeiros trs reinos como a Babilnia (Dn 2.37), a Medo-Prsia (Dn 8.20) e a Grcia (v.21); e o quarto reino geralmente reconhecido como sendo o Imprio Romano ? o que se encaixa historicamente.

 

Da mesma maneira, os dez artelhos da imagem em Daniel 2.41-43 correspondem aos dez chifres da quarta besta em Daniel 7.7,24. A revelao adicional em Daniel 7.8,24 a que um pequeno chifre irrompe dentre os dez para blasfemar contra Deus. O Altssimo julga aquele chifre pequeno atravs do Filho do Homem, e ento o reino entregue aos santos.

 

Os captulos 3 e 6 correspondem um ao outro, pois demonstram a preservao que Deus faz dos que se mantm fiis a Ele na poca desses governantes gentios. O captulo 3 a famosa histria de Sadraque, Mesaque e Abedenego e de como Deus os protege na fornalha quando eles no se prostram diante da imagem de Nabucodonosor. Da mesma maneira, Deus protegeu a Daniel, j idoso, (captulo 6) na cova dos lees quando continuou a se prostrar diante do verdadeiro Deus, mesmo em violao lei dos medos e dos persas. Os dois relatos no apenas instruem o Povo Escolhido de Deus a ser fiel a Ele enquanto estiver sob o governo dos gentios, mas tambm instruem os governantes gentios sobre quem verdadeiramente Deus.

 

Essa confiana torna-se, ento, o tema dos captulos 4 e 5. O captulo 4 a descrio autobiogrfica de Nabucodonosor e de seu encontro com o Deus Altssimo. a histria do orgulho e da humilhao desse rei durante os sete anos em que sofreu de boantropia (insanidade em que a pessoa pensa que um bovino). Ele viveu em humilhao, como um animal no campo, at que reconheceu que seu reino e poder vinham de Deus.

 

O captulo 5 reconta a blasfmia do rei Belsazar e a resposta de Deus quando usou, em sua festa de bebedeiras, os utenslios sagrados do Templo judaico que havia sido destrudo. Os dois relatos admoestam os governantes gentios a reconhecerem que a soberania deles sobre Israel vem de Deus. No vem deles, nem de seus deuses; e eles devem honrar o Deus Altssimo e Seu povo, ou sero julgados.

 

Os captulos 8 a 12 consistem de trs vises, ou revelaes, escritas em hebraico e tratam do futuro de Israel sob o domnio de quatro reinos gentios. Todas as trs vises enfocam o contnuo julgamento ou sofrimento de Israel nas mos dos gentios at que venha o Reino de Deus. O captulo 8 uma viso revelada em 551 a.C., e trata da opresso de Antoco IV (Epifnio), um rei selucida vindo do Imprio Grego, que profanaria o futuro Segundo Templo em Jerusalm, em 167 a.C., estimulando desta forma a revolta dos Macabeus. Esse rei tambm descrito na viso de Daniel 11.21-35.

 

O captulo 9 a resposta de Deus orao de Daniel em 539-538 a.C., sobre a profecia de Jeremias de que o povo judeu ficaria no exlio por 70 anos (Jr 25.11-12; Jr 29.10). Daniel entendeu que aquele era o momento do final do exlio (609-539 a.C.).

 

O Livro de Daniel contm uma mensagem tanto para Israel quanto para as naes gentias. Para os gentios, a mensagem que reconheam o Deus de Israel como o Deus Altssimo e acolham o plano dEle para Israel e para o mundo.

 

Deus revelou a Daniel que um perodo de 70 vezes sete anos de julgamento futuro estava decretado para Jerusalm at que toda a expiao tivesse sido feita em favor de Israel. No final de 483 anos, o Messias deveria ser ?cortado? (Dn 9.26), deixando uma ltima ?semana? (um perodo de sete anos) de julgamento antes do fim (vv.24-27).

 

A viso final, registrada nos captulos 10 a 12, foi dada em 536-535 a.C. e trata da nao de Israel nos ?ltimos dias? (Dn 10.14). O captulo 11 visualiza os conflitos entre os selucidas e os ptolomaicos durante o tempo do Imprio Grego, que culminou com a abominao da desolao de Antoco Epifnio no Templo (Dn 11.31).

 

Antoco Epifnio apresentado como nada menos que um tipo de um futuro governante maior: o Anticristo, que se exaltar contra Deus. O livro termina com o estabelecimento do governo de Deus e a recompensa da ressurreio dos santos.

 

A Mensagem

 

O Livro de Daniel contm uma mensagem tanto para Israel quanto para as naes gentias. Para Israel, a mensagem que permanea fiel ao nico e verdadeiro Deus a despeito dos sofrimentos sob o governo gentio, enquanto espera o Messias de Deus e o Seu Reino.

 

Para os gentios, a mensagem que reconheam o Deus de Israel como o Deus Altssimo e acolham o plano dEle para Israel e para o mundo. Deus deve ser reconhecido como Soberano; e honra e glria devem ser dadas a Ele. Como o prprio Nabucodonosor reconheceu: ?o domnio [do Deus de Israel] sempiterno, e o reino [do Deus de Israel] de gerao em gerao? (Dn 4.34). (Herb Hirt - Israel My Glory - http://www.chamada.com.br)

 

Herb Hirt reitor da Escola de Estudos Bblicos da Universidade Bblica da Filadlfia (EUA).